La vie a Besançon – Le Début

Demorou, mas o segundo vídeo do vlog está no ar. Desta vez sem textão (uhul). Espero que gostem!

Deixou também o meu muito obrigada ao Caio Narezzi, que além de filmar fez toooda uma decupagem louca e me ajudou a editar no tenebroso MovieMaker.

E não deixem de assinar o canal ;)

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=5RDLzNY0Wzk]

Anúncios

La vie à Besançon – teaser

Adoro contexto, e me sinto mais confortável com a escrita. Fazer textão é amor – não nas redes sociais, por aqui mesmo. Algumas pessoas sugeriram que eu fizesse vídeos durante o intercâmbio, o que considerei uma afronta no início. Falta vocação, me sinto estranha olhando para a câmera, a ideia me parecia bem absurda. Então pensei, poxa, vivemos em uma era de tecnologia exacerbada, em outros tempos me restariam apenas fotos analógicas – com o risco de perder um filme, um registro específico. Considero lindo, adoro coisas antigas. Tanto que tenho mantido um diário todo escrito desde que cheguei – isso mesmo, caderninho, caneta e lápis. Por quê não sair por aí fazendo vídeos e guardar lembranças em movimento da minha passagem por aqui?

Na brincadeira, o Caio topou filmar o que seria um embrião do vlog. Sem roteiro, sem planejamento, nada. Acabamos filmando os colegas de sala dele tomando um shot no bar que frequentamos (o nome é Bar de l’U, e eles não tem site nem fanpage).

Dois fatos curiosos sobre este sábado: a última semana – de 22 de fevereiro à primeiro de março – foi de “férias” no curso. Fiquei em Besançon mesmo, o Caio viajou. E no meio do percurso uma das meninas que está no vídeo encontrou com ele. Antes de ir para o bar (ontem), comentei que meu roomie era estranho demais, muito tímido, por vezes meio creepy. Já no bar, eis que surge o moço, nos convida para jogar sinuca, senta na mesa e começa a trocar ideia. Quando digo “cerveja: connecting people” é só para enfatizar o efeito mágico do álcool nessas horas. As pessoas ficam mais soltinhas de fato. Minutos depois, os colegas de classe do Caio surgiram no Bar – inclusive a chinesa que viajou com ele.

Estou na França, mas a vida aqui me lembra muito Campo Grande, minha cidade natal. Esse jeitinho de interior bem característico: você sai de casa para ver um amigo e tomar um chopp e acaba encontrando meio mundo.

Contexto dado (e vários spoilers porque ainda não aprendi a brincar de vlog), aí está o vídeo. Assinem o canal para acompanhar nossas próximas empreitadas por aqui :)

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=CKwzoGoY_HU&feature=youtu.be]