Desafio Literário 2011- Um Dia, de David Nicholls

Histórias de amor caminham sob uma linha tênue, na qual procuram se equilibrar entre o óbvio e a criatividade para mostrar-se singular ou minimamente capaz de uma fuga do convecional. Não é difícil cair na mesmice. Embora não haja inovação alguma e isso aconteça sutilmente, Um Dia, de David Nicholls consegue atingir esse equilíbrio.

A história corre o risco de entregar-se ao óbvio constantemente, mas existe um cuidado do autor para que isso não aconteça. O fio condutor e fato peculiar da obra é a data especial para Emma Morley e Dexter Mayhem. O primeiro ‘encontro’ acontece no dia da formatura de ambos.

A partir de então, a cada ano, sempre no dia 15 de julho, eles partilham algum momento importante em suas vidas. A amizade se fortalece e a história de um acaba dependendo – embora de maneira indireta – da história do outro para acontecer.

Emma e Dexter não possuem nada de fantasioso. Todos os personagens não procuram bancar os herois. São todos extremamente humanos, vulneráveis como qualquer indivíduo comum. Nicholls possui um estilo despojado, e sua escrita é permeada por um humor espirituoso.

Essa naturalidade, porém, abriga mutuamente uma vantagem e uma desvantagem. Aproxima o ficcional da realidade e do ordinário, pois mostra uma realidade sem grandes floreios. O que pode prender ainda mais a atenção do leitor, ou parecer excessivamente real e tornar-se maçante.

Pois é justamente quando Dexter passa por uma fase conturbada que a obra perde um pouco do seu encanto inicial. Com a passagem dos anos, ele mantém a mesma personalidade inconsequente do período da faculdade. A imaturidade o deixa irritante em diversas passagens. Nicholls então procura atribuir-lhe choques de realidade. A sequência constroi a travessia pela qual passa o personagem. Apesar da personalidade irritante, ele evidencia nossa dificuldade usual em encarar problemas de frente.

Embora os personagens centrais partilhem o humor descontraído, Emma é mais frágil. Ela, sim, enfrenta os empecilhos com força e atravessa as experiências encontrando-se cada vez mais madura. Talvez seja essa a grande sacada de Um Dia. Emma e Dexter compensam seus defeitos e embates pessoais. Suas histórias, como dito anteriormente, se completam.

Aos desavisados, é importante lembrar que o livro não abriga um exemplo de genialidade. A história cumpre seu papel como um drama ameno. Um enredo envolvente, uma leitura leve. Para se envolver sem grandes questionamentos.

Correspondente ao tema de Dezembro do Desafio Literário 2011

Anúncios

2 comentários sobre “Desafio Literário 2011- Um Dia, de David Nicholls

    • Sou muito mais apegada ao livro. Por mais que adore os atores da adaptação, achei bem fraquinha. Não consegui me envolver tanto. E olha que eu sofria horrores toda vez que fechava o livro, porque sentia saudades dos personagens (e desespero pra saber o que estava por vir, admito)!

      Li um mundo de críticas detonando o livro por ser mamão com açúcar, sem entender o motivo de tamanho sucesso. Aí fica o questionamento – as pessoas esperavam o que? Não há nenhum mistério ou grande questionamento e, ao meu ver, seria bizarro se houvesse!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s