O peso do ausente (Desafio Literário 2011 – Nada Me Faltará)

Há um arquétipo bastante característico em todas as obras de Lourenço Mutarelli – indivíduos conturbados em diferentes níveis, sempre colocados frente a frente com algum embate. Usualmente, a personagem principal é utilizada para centrar o objeto criticado pela obra. Eles sempre representam a parcela da humanidade incapaz de se adaptar aos agouros da sociedade. Em Nada Me Faltará, o autor apresenta um personagem apático.

Mas não se trata de uma apatia comum – ela decorre de um acontecimento sem muitas explicações. Paulo desapareceu com a mulher e a filha. Os três saíram para uma viagem e, de forma enigmática, nunca mais retornaram. Paulo reaparece após um ano na porta de seu apartamento, e é surpreendido pela notícia de que o local onde morava foi devolvido ao locador. Ele não se lembra de absolutamente nada. E se ele não consegue entender o que aconteceu, quem dirá as pessoas de seu convívio.

Inicia-se uma viagem intensa e fora do comum em meio à tentativa de compreender o incidente. Amigos e familiares parecem cada vez mais afetados pelo estado impassível de Paulo. Todos passam a cobrar explicações, e ele, a cada dia, compreende menos o que se passou.

Quando a culpa parece pesar-lhe os ombros, ele procura um terapeuta, Dr. Leopoldo, para tentar recuperar o trauma que deveria acometê-lo. Os amigos não aceitam o fato de Paulo ficar indiferente com a ausência da mulher e da filha. Mas ele encara uma situação paradoxal – ao mesmo tempo em que não se lembra ao menos de ter se casado um dia, mantém a lembrança do momento em que saiu para viajar com as duas. O mesmo se aplica com relação às outras pessoas com as quais convive – a saudade e a preocupação de todos não faz sentido, pois, para ele, o tempo não passou.

Como outros livros do autor, a história se desenrola em uma linguagem mais teatral, com poucas descrições e concentrado em diálogos. O tom da obra é sombrio, e o enredo se constrói justamente pelas trocas de palavras entre as personagens. Outra marca bem característica do autor – os dados são colocados de forma sutil. Nada é explicado de forma simples e objetiva. Mutarelli exige a atenção do leitor para decodificar o que realmente aconteceu com Paulo.

Os amigos e familiares parecem mais preocupados em saber o nível de envolvimento de Paulo com o desaparecimento da mulher e da esposa. Os diálogos são sempre fechados, interrompidos por um corte abrupto, decorrente da dificuldade que todos partilham ao se expressar. Assim, Nada Me Faltará agrega algumas críticas. Entre elas, as que mais se destacam são a falta de comunicação e a opressão causada pela necessidade de seguir um padrão aceito pela sociedade. O excesso de preocupação, a exigência para levar uma vida “correta” e a necessidade de manter laços estáveis com familiares.

A leitura não é tão envolvente quanto nos outros trabalhos de Mutarelli. A leitura parece marcada pela necessidade de entender o incidente, o que acaba enfraquecendo o desenrolar da história.

Correspondente ao tema de Setembro do Desafio Literário 2011

Anúncios

2 comentários sobre “O peso do ausente (Desafio Literário 2011 – Nada Me Faltará)

  1. Lidy do céu, você accredita que eu, toda apaixonada por literatura, nunca li Lourenço? Uma vergonha, né, eu sei, pode falar. Mas de qualquer forma, posso deixar aqui claro que apesar de a crítica não ser tão positiva, me despertou interesse. Acho que vou começar com um desse, mas se você tiver outra dica para me dar me fala na segunda! Adorei o seu cantinho, de verdade!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s