J’ai rencontré le bonheur à Paris

Região da Notre Dame - cheia de turistas em julho (para não perder o costume)

É bem notável – o blog tirou férias. E eu integro aquele grupo de pessoas que não aguentam acessar a página constantemente desatualizada. Mas não dá para perder tempo com internet quando se tem uma cidade imensa para desvendar pela frente, certo?

No momento estou em Paris, explorando cada arrondissement, comendo muita salada (e macarons, lógico), gastando os solados dos calçados e tirando foto de toda construção simpática que vejo pela frente.

Como é de costume, ando por aí com os meus adorados cadernos. Já tomei nota de muitas coisas e não pretendo parar. Quando voltar ao Brasil – daqui pouco menos que uma semana – farei textos especiais sobre minha passagem por aqui. Não se assustem – não escreverei longas redações no maior estilo “diário de viagem”. Considero preferível dar dicas (mesmo as mais inúteis) a futuros visitantes.

Por enquanto, desejo boas férias à todos. Et alors, patientez-vous! Daqui uns dias estou de volta :)

Chega de falar do mesmo

Textos que trazem celebridades como tema podem acabar na categoria “mais do mesmo”: repetitivos, óbvios e até um pouco irritantes. Felizmente, há jornalistas competentes, capazes de atribuir toques especiais a matérias que poderiam transbordar futilidade. E que ainda conseguem adicionar a isso tanto aventuras pessoais cotidianas quanto momentos curiosos relacionados à profissão.

Jancee Dunn concilia em seu primeiro livro, Chega de Falar de Mim…, seu primeiro livro, concilia esses dois pontos com bom humor. A escrita é simples e ideal para uma leitura sem compromissos. A autora intercala acontecimentos da vida – ligados à família, amizade, namoros e aos caminhos percorridos no jornalismo – com os momentos mais marcantes da carreira, além de dicas para lidar com celebridades. Estas últimas são, antes de tudo, fontes como outras quaisquer – e não apenas estrelas do cinema ou da música.

Ao mesmo tempo em que desconstrói o glamour no jornalismo, presente no imaginário de muitos; a autora também alimenta as esperanças de jovens repórteres. O primeiro trabalho de Jancee como jornalista foi na revista Rolling Stone, na década de 80. A revista proporcionou um contato próximo com a realidade do meio artístico, levando-a também ao programa Good Morning America e ao canal televisivo MTV2, onde trabalhou como VJ.

Em poucas palavras, Dunn consegue acabar com a idealização das celebridades por parte dos fãs:  apesar da fama e dos incontáveis admiradores, elas são extremamente rudes. Por outro lado, a autora tenta desfazer conceitos reforçados – os quais considera um tanto equivocados – por muitos colegas de profissão.

É o caso, por exemplo, de Christina Aguilera. A jornalista diz não entender o porquê da fama de antipática atribuída à cantora no início da carreira. E em sua defesa, ao elogiar a moça, acrescenta: “Christina Aguilera é a nova Cher, pense nisso! Vamos ser legais…”

Cada episódio não passou de um mero momento de trabalho para a Dunn, mas deixa até mesmo quem não tem ligação com a profissão com uma pontada de inveja. Afinal, quem não gostaria de presenciar Brad Pitt tocando air guitar ou de ser confundida como a nova namorada de Ben Affleck?

A escrita, apesar de descompromissada, traz dicas muito úteis jornalistas iniciantes – tanto para conduzir bem uma entrevista, quanto para tentar obter alguma informação importante. E ainda tenta incentivar – sem soar como autoajuda – a não desistir perante as primeiras dificuldades, utilizando, para tanto, exemplos vividos por ela.

[Publicado também no Site de Cultura Geral da Faculdade Cásper Líbero]